16 maio, 2013

dezesseis de maio



enfim, retorno à essa saudade morna, de te imaginar bem. Sentindo o mesmo que eu mas não em relação a mim
            Nem eu em relação a você
Nem em relação a mim ninguém.
            O que ficará dessa pensamento coagulado? O fino furo que aconteceu faz escorrer lentamente o líquido negro, dissolvido nesses tons beges prazerosos que matizam a nossa distância.
            Não quero mais te ver por enquanto
Quero-te
            rever por um instante, depois não sei mais quando

07 março, 2013



                sentirei saudades de são João
                preciso cruzar o meu ipiranga
                alguma coisa acontece
que só
quando
                               esse silêncio em reprodução
                               alguém colocou para repetir
               

29 janeiro, 2013



                Larguei o chocolate

                tive uma recaída pelo café

                Não sei se é melhor com ou sem

                você?

05 dezembro, 2012

primeiro poema de um novo caderno



               cada vez que você vai
               preciso reaprender
               a estar só
               ser só
               e apenas

               eu e o capim
               eu e os azulejos
               eu e a ducha no quintal
               eu e as sombras
               eu e o sol escaldante
              
               nenhuma dessas líricas
               é tão concreta quanto
               eu

               e você,
               quem reconstrói clichês
               você ressignifica horizontes você
               quem ocupa as guardas dos
               livros você quem põe os edifícios
               abaixo você você
                                            você

                                                           você

24 outubro, 2012

21 outubro, 2012

é que alguns trilhos hão de terminar mais cedo



               sinto, dos meus sentimentos – um trem
               com velocidade própria, cambiante
               a todo tempo/ vapor: não posso e não adianta
               querer mudá-la.
               Tenho nas mãos o controle das chaves
               posso trocar os trilhos, definir o raio das curvas soltá-lo
               Nas retas quando o vento for
               propício. Não posso e não adianta
               querer governá-lo,
               sou co-piloto
               a vontade vem e vai e passa
               tenho que acompanhá-la
               dizendo caminhos
               ‘por ali’, ‘por aqui’,
               e ‘agora, ainda, não’.
               Nem há ruim,
               bom ou melhor
               jeito de o trem andar
              
               é que alguns trilhos hão de terminar
               mais cedo. evito