25 fevereiro, 2010

hoje o céu é mais cinza
os passos no cimento mais ocos
o real é mais cocho

as sílabas são ímpares
as idéias são díspares
as árvores se mexem como se nunca tivessem dormido

13 fevereiro, 2010

Libertação

Eu gosto quando as respostas vêm com o vento. O sopro de um orixá, que balança as cabaças presas na parede, e aquele batuque calmo quebra o silêncio, e o olhar do homem saindo da rede e indo parar lá nas matas verdes que ainda não estão tão longe quanto seu pensamento chega. E ele chega lá trás dos montes, numa moça, numa família, numa casa cheia de crianças, numa vida ainda pra ter. A resposta vem num sopro, um vento...
Ele levanta, olha a casa pequena suja de terra, olha a estrada pra seguir, de terra. Coloca as cabaças nas costas, leva consigo algumas outras mudas de calças e blusas beges, deixa o sol bater na sua pele escura. Pra saber que a vida o espera, lá onde ele for chegar.

09 fevereiro, 2010

só me ela

Escrever sobre ela
escrever só me ela
escrever some, fica ela; Micaela,
Isabela, unha amarela,
batom vermelho, boca dela
uma bocadela, uma mordiscada,
amor, discada
a ligação cortada
a garganta engasgada
de mim, não sai nada

08 fevereiro, 2010

Qualquer coisa sobre mim. que quanto mais pesada mais esmagará meu corpo, eu vou cuspir minhas vísceras quase-todas e te contar o que eu sei e o que nem sou

Estar numa corda bamba que liga um abismo a um precipício, estar vivo, muitos nomes. Estar sonhando, estar acordado, muitas cores. O coração batendo, bombeando toda e qualquer sensação para cada milímetro de alma que engasgar minha garganta seca. Inundada, minha palma da mão de tinta, busca na parede lisa, fria, branca e cocha o corpo alheio de um amor ou de um passeio; de um amigo, busco as cores escorrendo pelas pontas dos dedos meu choro, meu suor, meus humores, meu suco de vida, minha saliva, minha urina. Meu sangue, carrega tudo aquilo que eu já disse e me transporta até o universo do medo, eu não posso me guardar (em) segredo, e a cabeça toda submersa, estremecido, já uma criança esvaecida, me persegue a chuva vermelha, a pele rachada, a grávida. Me persegue a calada. Eu. só em silêncio: só, em silêncio.

rasga-se

            Rasga toda a sua poesia
            rasga todo o seu peito
            rasga toda a sua vida
            rasga a estrada atrás do que quer
            rasga do coração toda mulher
            rasga o seu amor pelos amigos
            rasga tudo que tem
            rasga tudo o que não tem
            rasga atrás de paz
            rasga atrás de dor
            rasga atrás de tudo aquilo que não pode ter
            rasga atrás de amor
            rasga tudo que é belo no meio
            rasga, rasga, rasga papel, rasga caneta, rasga sua boca
            rasga seu grito, rasga sua voz
            rasga seu silêncio
            rasga teu corpo em dois
            rasga os dois em um bilhão
            rasga o céu, deixa as estrelas
            rasga a lua, deixa o sol
            rasga a luz e deixa ela o transcender
            rasga a escuridão e deixa ela te consumir
            rasga o folhetim diário
            rasga o teu dicionário
            rasga a tua língua
            rasga suas orelhas
            rasga seus costumes
            rasga seu dialeto, seu sotaque
            rasga sua arvore genealógica
            rasga tudo que é lógica, tudo que é loja
            rasga tudo o que não faz sentido
            rasga o sentido de raiva
            rasga o incontido... explode
            rasga a ti e ascende
            rasga o fundo do poço aonde cai seu corpo
            rasga a namorada distante
            rasga a amante
            rasga com quem bebes nos bares
            rasga as lágrimas que deixas-te nos mares
            rasga amares
            rasga a mais bonita das fotos
            rasga a louça, rasga os copos
            rasga tua roupa
            rasga o seu nu, rasga os teus pêlos
            rasga tuas vontades
            rasga a tua preguiça
            rasga o seu sofá
            rasga o teu patuá
            rasga-se e vês o que tem
            Nada!... rasga!