24 novembro, 2010

            Faço, refaço
            uma linha
            costuro um ponto
            ponho pontos, uns i’s sem pingos
            de afobação
            conto de cortar – não de ré(a)is
            história de tecer
            um dedo de furar
            desfaço um nó
            sem ninguém ver
            e uso a corda pra atar
            leitor e texto
            fera e coisa
            avidez que se não conhecesse
            não saberia da calma
            te         xt         o
                        ç         
            ma       cio
            tempo vadio
            gastado com figuras
            de tinta fresca
            na dita memória que eu tinha que ter
            mas cada retomar
           
            mais e mais
            me faz coser.

21 novembro, 2010

No canto direito tem status de nota
no centro é título
à esquerda é prosa

            O palco é rosa
            a pauta é mito
            à mão anoto
            com esse espaço incerto de dois dedos
            do canto da página
            um texto qualquer, uma lástima
que por definição não se definiria
mas eu desconfio de canto de olho
que é poesia.

10 novembro, 2010

façam-se sóis e sóis

            Façam-se sóis e sóis
            e sóis são os que mais se fazem
            abram-se flores e flores
            caiam folhas, folhas
            estações
            calendários naturais e caleidoscópios vivos
            condensem chuvas, chuvas
            nada perdura
           
            Tratem de beijar os beija-flores
            não há trato
            todos esses se fazem por se fazer
            discerniram por instinto
            solenidades
            coisas sem pontas. não perfuram
            perduram em mutações
           
            Mudos, sem se afirmar.
           
            Enchem conscientes leves
            de domingos chuvosos
            são imagens, as asas
            escorrendo no café por uma garganta
            vão bater no estômago
            um voar de intestino
            sanguíneo beija-flor:
            cafeína
            vai fazer eu passar o domingo
            passar leve por mim

            O beija-flor reflexo no café.
           
            A massagem que o tapete faz nos meus pés
            me faz estar
            também na relva de um pico
            e no som da flauta de
            um trovador
            isso porque...
            no pico trovoa
            na língua ressoa o que se diz
            gosto de manhã

            Parece um manjar
            de contentamento

            Cedo ao vento sedento
            vergo pro meio da tarde
            transfiguro tudo que se passa
            na grande vontade
            do mundo, muito maior que divina
            natural
            divina
           
            Abram-se flores e flores
            na ponta do meu nariz
            é só fechando os olhos que vejo
            tudo o que tenho,
            tateio em lembranças
            e tatuo seu toque cor-de-pele
            no meu peito nu descanso
            espero ela chegar...
           
            Noite clara alva
            no tapete da sala.