23 março, 2011

            Um tablete só de chocolate meio amargo
            dois pinheirinhos no jardim,
            e um quarto que eu arrumo se precisar
            e a rua, os meninos jogam bola
            e a grama baixa, foi cortada ontem, sabe?
            Cobertores, café quando quiser
            e um violão que eu tento baixinho
            pra ninguém lá fora saber
            o quanto aqui dentro ia fazer sol:
            se você quisesse,
            se você um dia...
            não é muito mais que uma prece,
            escondida antes do dormir,
            mas te ofereço tudo.

17 março, 2011

            Eu busco saídas criativas
            e busco entradas criativas
            busco portas e costuras e portas e costuras e portas
            busco tonturas, vertigens
            e outras imagens tortas

            colos de mãe em outros solos
            busco bustos onde me reconheça
            e tiro as fotos das paisagens onde me esqueça
           
            eu tento, e penso tanto
            que busco em cantos
            prantos iguais aos meus
            e tanto penso, que escorrem os pensamentos
            pelo vazio imenso de um garoto tonto
           
            e de nada valem; se não me encontro.
            Eu busco sempre, mas busco brando
           
            que peso demais, atrapalha o passo.
            Ele tinha um blog
            Ela lhe disse que lia
            Ele disse que a amava
            Ela, de longe, sabia

03 março, 2011

Interurbano I


            – Isso não se explica
            no telefone; pára!, não me irrita.
            Vem cá, me come
            cita, Vinícius, me excita
            e me diz,
por que é que você
            foi embora e não me quis?

            Volta, amor, volta.

01 março, 2011

Pombos & Alvoroço

            Tempo: passa
            tudo arde, tudo morde
            mordo o lápis, perco fácil
           
            foco:

            Compro in loco,
            conto os blocos, faltam tantos
            peço os santos: “tempo, passa...”

            praça:
           
            Espero no banco,
            papel em branco, pombos & alvoroço
            traço seu rosto, ainda é terça,

            fosso:

            Me afundo num poço
            pensamento exposto,
            num sorriso bobo; e os olhos,
dança. doce

            lembrança:

            Flor, a mão treme
            o céu sublime, seu cheiro é leme
            viro o rosto, navego olhar

            calçada:

            avisto caminhar,  penso não crer
            nada explode mais
            do que você
           
            aparecer.