31 outubro, 2011

            sobrevivo por entre
            dois lugares
            pensamentos e olhares
           
funcionando ao mesmo tempo
neblinam.

            tanto aqui dentro quanto lá fora
            a atenção me escapa   

17 outubro, 2011

faço meu carnaval

            Esse fitar arredio mudo da alvorada
            no qual as palavras se perdem
            decompostas reveladas do filtro fino da seda
que são – sem cor,

como se o amarelo solar fosse luz primária
            e espessa
não sabemos ainda
            se o violão anuncia a festa da vinda
            dos bares às casas
            ou se as brasas; fornalhas
            clamam no seu calor
            por fazer rolar os suores magros
            dos moços indistintos.
           
            Talvez tudo aconteça ao mesmo tempo
            serpentina e serpentário
            ou talvez o salário não dê pro fim do mês

09 outubro, 2011

praxes n.3

            vulcânica
            nosso amor é uma rocha incrustada no peito
            um não ter jeito
            incandescente
            eterno poente melancólico
            – Descansa atrás dos meus olhos

06 outubro, 2011

praxes n.1

            Morrer nesse calor
            destruir (por) enquanto solução
            dissolver o tal do bem me quer
            deglutir aquele não
 ,  te quis