26 novembro, 2011

            O mar não esteve sempre aqui
            alguma terra se levantou
                                   a dar passagem
            também a luz
            acha o nosso tempo para se mover
            muito
lento

24 novembro, 2011

            Eu
            pouco sei do tempo
            porque meu tempo
            aqui é pouco.
           
            A idade
            da terra, até me aparece
            mas ainda
            é fosca.

            Transparentes
            só, às lágrimas
            por saber
            que vivem mais
            as coisas mortas
            e as árvores.

15 novembro, 2011

            a cidade de
            Piedade do Rio Grande
            é cortada por uma rua extensa
            que se mistura com a estrada
            como se ela toda se movesse
            e as nuvens é que estivessem paradas.
           
            Nesse país tão grande
            de rodovias e latifúndios
            que não se acha
            igual, e nos quais a gente
não se acha,
            a genealogia deixa
            os geógrafos doidos.

06 novembro, 2011

poema mal-divido como eu/você

            só me alcançam a
            memória /uns vagos
traços seus – cabelo, íris,
cheiro – como se fosse uma
música /da qual eu só lembrasse
            os dois primeiros /versos e agora
            impossível adentrar mais /não
            consigo te procurar /em discos ou
            no cheiro dos livros do centro
            da cidade /pra dentro do meu quarto
            o pensamento /circula uma
            avenida só onde passou seu
            portaestandarte /há sempre a
nostalgia de um carnaval
/que nunca vivi só
nos livros