05 dezembro, 2012

primeiro poema de um novo caderno



               cada vez que você vai
               preciso reaprender
               a estar só
               ser só
               e apenas

               eu e o capim
               eu e os azulejos
               eu e a ducha no quintal
               eu e as sombras
               eu e o sol escaldante
              
               nenhuma dessas líricas
               é tão concreta quanto
               eu

               e você,
               quem reconstrói clichês
               você ressignifica horizontes você
               quem ocupa as guardas dos
               livros você quem põe os edifícios
               abaixo você você
                                            você

                                                           você

24 outubro, 2012

21 outubro, 2012

é que alguns trilhos hão de terminar mais cedo



               sinto, dos meus sentimentos – um trem
               com velocidade própria, cambiante
               a todo tempo/ vapor: não posso e não adianta
               querer mudá-la.
               Tenho nas mãos o controle das chaves
               posso trocar os trilhos, definir o raio das curvas soltá-lo
               Nas retas quando o vento for
               propício. Não posso e não adianta
               querer governá-lo,
               sou co-piloto
               a vontade vem e vai e passa
               tenho que acompanhá-la
               dizendo caminhos
               ‘por ali’, ‘por aqui’,
               e ‘agora, ainda, não’.
               Nem há ruim,
               bom ou melhor
               jeito de o trem andar
              
               é que alguns trilhos hão de terminar
               mais cedo. evito

09 outubro, 2012

Etc,



               ...sou gente
               sem mágica, sem lasers
               apenas
               um par de olhos
               um par de orelhas
               uma pá de horas
               um pé esquerdo
               uma pinta no queixo.

               sou homem
               sem tragédia.
               não quero versificar sete faces
               esmiuçar 50 heterônimos
               nem Ulisses
               nem Guevara
               a minha vontade de ser não quer ser história

               sou novo
               aqui
               isso tampouco diz
               quiçá permite

               sou antes livre
               depois me prendo
               àquelas coisas que me prendem
               atenção
               despertam
               paixão
               desprendem do chão
               mágica...

02 outubro, 2012



               As pessoas são sinceras depois que as filtramos
               ou tentamos reuni-las
               em um todo
               (tarefa sempre frustrada
               com belos parênteses abertos e nunca

               Mas há sempre subgestos
               subtextos
               e subfalas.

               as pessoas são sinceras quando mudam de opinião
               quando são convencidas
               quando sorriem e dizem
               “eu estive errada”
               pois tudo pode ser certo
               mas não o é o encontro

               do(i)s entendimentos.
               Há sempre subvozes
               entremomentos
               nuances silêncios
               ante-salas