28 junho, 2012

Outono, meados


                Ao passo que a pele se enruga
                a virgindade lhe retorna aos olhos
                embaçados por sombras como são alguns antigos
                colegas de trabalho

                Casta e de bocejos cada vez mais freqüentes
                vai ralentando o ritmo dos chinelos arrastados
                que anunciam aos cantos e gatos da casa,
                aí vem a senhora
                               do tempo
                               de si
                               da amargura

                reinar sobre o silêncio
                ou comer biscoitos suíços comprados em grandes latas
                com gosto de pó

                Os armários dia a dia crescendo retendo
                A louça intocada

21 junho, 2012

hoje,


sem palavras.
seis palavras.
cem palavras.

13 junho, 2012

paz


                vários

                os quebra-cabeças do agora apenas

                resolvidos no futuro

                minha vida toma outros rumos

                caminha para outros pés
               
                já não são os mesmos aqueles
               
                que dão as peças os braços, cabeças

                me lembro das suas
               
                unidas.

               

                minha vida bebe de outras fontes
               
                suas vidas pedem concedo

                presença e ausência

                em mim

                ou talvez

                me remontar ao seu lado o pensamento

                vocês

                eu

                o tempo
               
                e o que já não há mais palavras

                para começar

                                                               de novo.

04 junho, 2012

Quatro de Junho


                Em meio à neblina querendo amainar alvorada
                os postos de gasolina guardando ainda à noite
                na luz amarelada
                bicicleta quanto mais gira
                mais pulsa
                ansiosidade velada
                atrás de cachecol azul coração solto.

                não é nem querer ir
                é voltar
                deitar
                e dormir
                guardar no sono as palavras
    pra saber todas de cor quando chegar...