05 dezembro, 2012

primeiro poema de um novo caderno



               cada vez que você vai
               preciso reaprender
               a estar só
               ser só
               e apenas

               eu e o capim
               eu e os azulejos
               eu e a ducha no quintal
               eu e as sombras
               eu e o sol escaldante
              
               nenhuma dessas líricas
               é tão concreta quanto
               eu

               e você,
               quem reconstrói clichês
               você ressignifica horizontes você
               quem ocupa as guardas dos
               livros você quem põe os edifícios
               abaixo você você
                                            você

                                                           você