16 maio, 2013

dezesseis de maio



enfim, retorno à essa saudade morna, de te imaginar bem. Sentindo o mesmo que eu mas não em relação a mim
            Nem eu em relação a você
Nem em relação a mim ninguém.
            O que ficará dessa pensamento coagulado? O fino furo que aconteceu faz escorrer lentamente o líquido negro, dissolvido nesses tons beges prazerosos que matizam a nossa distância.
            Não quero mais te ver por enquanto
Quero-te
            rever por um instante, depois não sei mais quando

2 comentários:

Lucielle Wiermann disse...

brilhante, dá uma agonia.

'pensamento coagulado' é uma sacada de mestre.


gosto da sua escrita, como nunca escondi...

Ana Ribeiro disse...

Saudade é o que sinto. Bom l(v)er você.